Dezembro 8, 2017

Mensagem do Mês

Com o mês de Dezembro, iniciámos um novo ano litúrgico, aquele ciclo de celebrações que nos reúnem semanalmente ao domingo, à volta da Eucaristia. E começamos, como sempre com este tempo forte de Advento, como preparação para a Festa do Natal.

A Diocese do Porto, sugere-nos uma caminhada, desde o Advento ao Batismo do Senhor. Desta vez, sob o lema: “PRESÉPIO, LUGAR DE ENCONTRO PARA TODOS!”. O presépio é um sinal natalício sempre sugestivo e muito querido às nossas famílias, ele evoca o Mistério da Encarnação, pelo qual o Filho Unigénito de Deus Se fez homem para nos salvar. O presépio comove o coração de todos, até daqueles que não creem, porque lhes fala de fraternidade, intimidade e amizade, exortando os homens do nosso tempo a redescobrir a beleza da simplicidade, da partilha e da solidariedade. O Presépio é um convite à unidade, à concórdia e à paz; um convite a dar lugar, na nossa vida pessoal e social, a Deus, que não vem impor o Seu poder com arrogância, mas oferece-nos o seu amor todo-poderoso através da figura frágil de um Menino.

Por isso, este ano fizemos um presépio público, no início da Avenida da República, à esquerda, lugar nobre da cidade e local de passagem para muitos. Deste modo, vamos ao encontro do Plano Diocesano de Pastoral, “criar comunidades missionárias que não passem a vida a repetir indefinidamente o que sempre se fez, mas a «fazer» evangelicamente o que há que fazer neste nosso tempo. E, hoje, temos de ser uma Igreja «fora de portas», uma «Igreja na rua»…

Todos são convocados a ir ao Presépio, como outrora os pastores e os Magos. Não se paga entrada, para entrar no presépio, para encontrar Jesus. Para entrar, só é precisa liberdade humana perante a gratuidade da salvação.. É uma casa aberta a todas as visitas, a começar pelos que vêm de longe. Todos estão convidados. Ninguém é marginalizado aos olhos de Deus, e precisamente foram os marginalizados os primeiros convidados de Natal. E deixemo-nos, também nós, que julgamos conhecer bem os cantos da Casa do Presépio, interpelar e convocar por Jesus; vamos confiadamente ter com Ele, a partir daquilo em que nós próprios nos sentimos marginalizados, a partir dos nossos limites, a partir dos nossos pecados. Deixemo-nos tocar pela ternura que salva.