Dezembro 8, 2017

Mensagem do Mês

O mês de Novembro é tradicionalmente o mês das almas, ou dos defuntos. Aquilo que é uma intenção diária nas nossas orações e devoções, assume um cariz oficial neste mês de Novembro. Assim iniciámos o mês com a Festa de Todos os Santos, onde pedimos a intercessão de todos aqueles que já atingiram a plenitude do amor de Deus. Não apenas os que fazem parte da lista oficial da Igreja, mas sobretudo os que fazem parte da lista secreta de Deus, aqueles de “ao pé da porta”. No segundo dia do mês, recordamos Todos os Fiéis Defuntos, aqueles que em estado de purificação, precisam da nossa oração e da “clemência e compaixão de Deus”.

Nesta variedade de irmãos, este é um mês que nos ajuda a tomar mais consciência da nossa condição de família. Todos somos somos filhos do mesmo Deus que é nosso Pai e que muito nos ama como filhos, quer caminhemos, quer já estejam com Ele, ou perto d’Ele. Recordar que temos um Pai, transmite-nos segurança, mas sobretudo confiança e serenidade. Não estamos sós, não nascemos sós, não vivemos sós, não morremos sós…

Como membros de uma comunidade paroquial, estamos convidados a partilhar a Palavra de Deus e a celebrar juntos a Eucaristia, unidos também aqueles que nos antecederam na morte. Deste modo, tornamo-nos todos mais irmãos e vamo-nos transformando pouco a pouco em comunidade mais santa e mais missionária. Sempre que os membros cuidam uns dos outros e formam um espaço aberto e evangelizador, a comunidade torna-se em lugar da presença do Ressuscitado que a vai santificando segundo o projecto de Deus que é nosso Pai.

Contra a tendência do individualismo que acaba por nos isolar na busca do bem-estar à margem dos outros, o nosso caminho de santificação e de família, não pode deixar de nos identificar com aquele desejo de Jesus Cristo, o nosso irmão maior: «Que todos sejam um só, como Tu, Pai, estás em Mim e Eu em Ti.» (Jo 17,21)